Memórias #02 'Mass Effect 2'


Acho incrível como algumas das melhores coisas que acontecem na nossa vida as vezes acontecem totalmente por acaso. Minha história com Mass Effect 2 foi um desses acasos.





Era uma vez eu nos primeiros meses de 2011 procurando jogos para jogar no meu novo Xbox 360. Já tinha lido muito sobre um tal de Mass Effect, um jogo feito pela Bioware que parecia muito bom e era muito bem falado de RPG americano misturado com Third Person Shooter, e ainda não tinha aparecido uma oportunidade para jogar pois até então tinha um Playstation 3, e resolvi que finalmente o jogaria. Lembro que comecei o jogo em uma semana que minha família tinha ido viajar e eu estava totalmente só em casa. Comecei com o Shepard padrão mesmo com a classe soldier e fui embora. Confesso que achei ele meio estranho, a parte de TPS era fraca, mas a parte RPG do jogo como as opções de diálogo haviam me interessado muito, mas o disco estava travando e acabei não jogando muito, parti para outro jogo.

Uns dos diálogos mais interessantes
são com Mordin, o cientista do seu time
Eis que alguns meses depois, no final de abril, meu primo participa de um campeonato do novo Mortal Kombat, fica em segundo lugar e fatura três jogos: MMA, Dragon Age 2 e Mass Effect 2. Ele não gostou de nenhum, e eu mantinha interesse na franquia Mass Effect então comprei o jogo dele por um preço bem camarada. Isso calhou de acontecer em maio de 2011, mês em que eu estava de férias do trabalho e a PSN sofreu aquele ataque que derrubou toda a rede. Com isso não pude baixar o DLC da hq interativa com a história e escolhas do primeiro ME, então pesquisei bastante na internet tudo o que poderia saber sobre o universo do game e a história do primeiro. Quando comecei o jogo, logo de cara percebi como ele havia evoluído em relação ao primeiro, gráficos, jogabilidade, e o jogo foi me conquistando pouco a pouco, diálogo a diálogo.

Miranda 
Acontece que a história do ME2 é bem interessante, como eu já disse o universo é muito bem construído, e eu adorei construir meu time e desenvolver relações e confiança com cada um deles. A missão final, a suicide mission, para mim é a melhor missão, o melhor momento que já pude experienciar em um jogo! E terminei. Mas eu queria mais. Decidi que este seria o primeiro jogo que eu iria atrás de todos os troféus e conseguiria a platina dele, seria minha primeira. Comecei uma nova jogada no nível insano, o mais difícil do jogo, e esse nível fez jus ao nome. Morri muito. Devo ter perdido muito cabelo também. Minhas mãos doíam as vezes de tanto jogar. Passei metade das férias tentando. E depois de muita perseverança eu consegui minha primeira platina (hoje eu vejo como eu era burro, fui jogar de soldier no insano, o melhor era ter usado outra classe)!


Classe Adept
Muitas pessoas largam o jogo depois de conseguir a platina, mas eu ainda não estava plenamente satisfeito. Joguei uma terceira vez, depois da volta da PSN, usando a hq interativa e fazendo todas as escolhas que eu queria levar para o terceiro jogo, Joguei todas os DLCs, e na minha opinião o DLC 'Lair of the Shadow Broker' é o melhor DLC já feito para um jogo. Um pouco antes do lançamento do ME3, perdi o Playstation e o save que eu tinha feito foi para o saco, e tive que jogar tuuuudo de novo, mas joguei sem reclamar! Com o tempo aprendi a jogar Mass Effect direito, criando meu Shepard, escolhendo melhor a classe que eu iria jogar. Com certeza ME2 foi - ao lado de Metal Gear Solid: Peace Walker - o jogo que eu mais joguei da sétima geração!


CONTATO:

theplayerhood@gmail.com
© Copyright 2015 Playerhood. Designed by Bloggertheme9 | Distributed By Gooyaabi Templates.