Coluna de férias #03


Mais uma semana, mais uma coluna de férias. Nesta, destaco alguns jogos que joguei em viagem, onde fiquei preso ao Vita. Estava doidão para finalmente poder jogar Metro 2033, até cheguei a começar o download na Steam, mas o animal aqui esqueceu o carregador do notebook em casa.



RAYMAN ORIGINS

Esse Rayman é fantástico. Já o tinha quase terminado no Playstation 3, mas tinha largado ele (uma coisa que eu faço muito, e não gosto!). Desde que o ganhei na PLUS, venho jogando ele aos poucos. Pelo que eu me lembro, já ultrapassei o ponto que estava no PS3, e cheguei em algumas fases que estão um pouco mais difíceis. Como eu adoro esse jogo! Uma coisa que gosto muito nele é que ele é um jogo muito musical, só jogando para você entender. As fases que mais gosto são as de perseguir os baús, elas são difíceis e tem bastante ação, você tem que se mover da melhor maneira possível para não ficar para trás e repetir direitinho o caminho do baú, que está fugindo. Peguei o último power up, que te permite correr pelas paredes mais inclinadas, e agora acho que tenho todos. Esse de correr é o mais legal entre todos, seguido pelo de voar que é bem útil. O mais sem graça é o power up de diminuir de tamanho conforme você passa por lugares pequenos.
É um jogo que venho jogando em pequenas doses, para não enjoar e poder curtir bastante. Mas tenho que terminar ele logo, pois estou muito interessado no Rayman Legends! Ainda bem que a Ubisoft acordou e não lançou ele exclusivamente para o Wii U!  O mesmo poderia acontecer com Bayonetta 2, mas como tem dinheiro da Nintendo no meio, duvido que isso vai acontecer.



HOTLINE MIAMI

Caraca, que jogo difícil. Se você não jogou, não tem ideia. Mas um fato estranho é que por mais difícil que o jogo seja, por mais que eu morra 50 vezes na mesma fase, mais eu jogo e tenho vontade de passar tal fase. Esse jogo me faz pensar que posso ser meio masoquista, porque vou te dizer, é meio frustrante as vezes, mas mesmo assim você continua e continua e sofre e morre e gosta e faz isso até passar de fase. Ainda bem que esse jogo tem um visual retrô, porque ele é muito violento, e seria muito chocante se tivesse gráficos atuais, mas a violência faz parte da história dele. Pensando na violência, ele meio que me lembra manhunt do Playstation 2, que era bem violento também. A história do jogo é legal, e tem umas sacadas geniais, sobre o comportamento dos seres-humanos e tal.



Aqui, se você for visto, já era, morreu. Por isso o ideal é agir na base do stealth, calculando e planejando muito bem suas ações. O que acontece é que o que você idealiza nunca vai estar certo, e você vai morrer muitas vezes no processo de adaptar sua ideia para uma ação de verdade. Tentativa-e-erro é o que define perfeitamente esse jogo. Se você o jogar e começar a pensar como pode fazer para matar as pessoas (do jogo) fazendo elas sofrerem cada vez mais para ganhar pontos, não se preocupe, faz parte do processo!



LONE SURVIVOR

Que jogo genial, só posso dizer isso. Para quem não conhece, Lone Survivor é um jogo de survival horror 2D que bebe da fonte de Silent Hill e tem um visual retrô. Por curiosidade, o cara que desenvolveu o jogo também é responsável pelo demake do Silent Hill 2. No jogo, não se sabe o que aconteceu com as outras pessoas, você está só em um prédio, com monstros rondando a sua volta. De vez em quando você encontra uma pessoa ou outra, mas você nunca sabe se elas existem mesmo ou se são frutos da sua imaginação. O jogo possui um sistema interessante em que o personagem principal comenta quando está com fome e quando está cansado e precisa dormir. O jogo possui vários finais, e eles irão mudar dependendo das suas escolhas e se você se alimentou e dormiu na hora que precisava. Por ser um survival horror pós-apocalíptico, a munição é escarça, assim como a bateria da sua lanterna. O mapa, assim como Silent Hill, vai sendo atualizado conforme você interage com os locais. A trilha sonora é boa, e embala ótimos momentos.



Havia parado de jogar, e quase recomecei, mas decidi continuar. Claro que fiquei meio perdido, mas logo me situei. Estou em uma parte difícil em que tenho que ligar o gerador para ligar a energia do prédio e tentar prender um monstro gigante no elevador. Tá meio difícil, eu fico meio perdido as vezes, sem saber onde ir. Foi o jogo que menos joguei, pois você fica tenso quando o joga. Mas eu recomendo a todos, vale muito a pena!


CONTATO:

theplayerhood@gmail.com
© Copyright 2015 Playerhood. Designed by Bloggertheme9 | Distributed By Gooyaabi Templates.